Morte Súbita - J.K. Rowling:
Editora: Nova Fronteira
Número de páginas: 512
Classificação: 4/5

Resenha:
Desde que ouvi pela primeira vez sobre esse livro, sobre o fato de a JK Rowling ter escrito um novo livro, soube que precisava lê-lo. Não importava sobre o que era, nem mesmo a capa horrorosa dele, eu precisava tê-lo nas mãos. Assim, comprei-o em inglês assim que foi lançado, determinada a lê-lo em seguida. Porém, como vocês perceberam, isso não aconteceu. O medo de me decepcionar, principalmente depois de tantos comentários negativos, foi adiando e adiando a minha leitura, até que peguei-o para ler agora nas férias. E foi uma surpresa.

Morte Súbita me enganou. Por algum motivo, desde sempre achei que ele fosse um livro policial. E não, não o confundi com O Chamado do Cuco, pois achava isso antes mesmo do outro ser escrito. Não sei porque, já que na sinopse realmente não deixa nada claro sobre ser um livro policial, mas eu tinha certeza de que era. Mas não é. Nem um pouco. Morte Súbita conta a história de uma cidadezinha, e o que acontece nela após a morte de uma pessoa importante para a comunidade.

Barry Fairbrother era uma pessoa importantíssima na pequena cidade de Pagford. Ele estava a frente da luta contra a transferência de uma parte da cidade, onde moram os pobres e problemáticos, para outra cidadezinha, de modo com que eles não fossem mais responsáveis por aquela área. Barry, nascido naquela parte da cidade, acreditava que não existiam apenas drogados lá, e que aquela parte da cidade merecia ser cuidada. Porém, ele era minoria no Conselho da cidade, de modo que sua morte impactou profundamente o futuro da cidade.

Isso é basicamente o que temos ao início do livro, e, a partir daí, a autora nos mostra como os cidadãos de Pagford reagirão a perda de Barry. Sua família, seus amigos, seus conhecidos, seus inimigos, pessoas que o admiravam, pessoas que não se importavam com ele, todos os que foram afetados. E veremos como eles seguirão suas vidas a partir daí. É incrível como a JK Rowling conseguiu escrever uma coisa tão diferente de Harry Potter, ao mesmo tempo em que conseguimos identificar tão bem traços da escrita dela.

Eu não gostei exatamente da história, para mim faltou o 'início e fim', só teve um 'meio', começou do nada, e terminou do nada. Porém, eu acredito que tenha sido de propósito, já que a história aconteceu nesse tempo. Só não deu muito certo para mim. Outro problema que eu tive foi com a grande quantidade de personagens, o que deixou a história meio confusa a princípio, me desanimando bastante, mas quando começamos a entender quem é quem a história começa a prender.

A edição da Nova Fronteira é boa, apesar da capa horrorosa (não adianta, não consigo gostar dela), que foi mantida a original. Achei a história bem dividida, não notei erros nem nada. No geral, o livro é bom. Mesmo não tendo me entendido muito bem com a história não consegui dar menos de quatro estrelas, ele é tão bem construído que não dá para dar menos. Esperava mais do livro, é claro, mas não posso dizer que ele é ruim, porque não é. Recomendo a leitura, mas não vão ler esperando algo como HP.


Tecnologia do Blogger.