Na Passarela – Meg Cabot:
Série: Airhead #3
Editora: Galera
Número de páginas: 272
Classificação: 5/5

Resenha:
Na Passarela é o terceiro e último livro da série Airhead. Então, se você ainda não leu os outros, eu aconselho que você não leia esta resenha, pois ela contém spoilers dos livros anteriores.

Apesar de ter amado Sendo Nikki e esperar bastante coisa desse livro, estava tentando segurar minhas expectativas, porque tinha visto resenhas falando que ele não era tão bom quanto o segundo. E isso foi bom, já que me deu a chance de gostar mais ainda de Na Passarela. Sim, o segundo ainda é o meu preferido, mas esse não ficou muito atrás. A série toda é incrível, é impossível não se apaixonar.

Depois do final de Sendo Nikki, Em está inconsolável. Ela não suporta estar nas mãos de Brandon, mas não acha nenhuma solução para o seu problema. O fato de ter que aguentar Nikki o tempo todo reclamando também não ajuda. Steven a ajudaria, com certeza. Mas ela não tem coragem de contar a ele tudo o que está acontecendo. Não que ela não confie nele, mas se Brandon descobrisse, ela sabe exatamente o que ele faria. E não seria nada bom.

Mas ela sabe que essa história de os dois terem saído de férias juntos não vai durar por muito tempo, logo logo eles serão obrigados a voltar para casa, se não quiserem que o pai de Brandon descubra que há algo de errado. E isso é tudo o que ela quer: voltar para casa. Não tudo, claro, mas tudo o que ela pode pensar no momento.

Em vai ter que ser forte para aguentar tudo o que está passando, e achar uma forma de dar a volta por cima, de conseguir se libertar e contar a verdade para todos. Mesmo que isso não seja fácil, mesmo que isso ponha todas as pessoas que ela ama em risco, Em tem que tentar. Não somente por ela, mas por todos. Porque o que a Stark Enterprises está fazendo não é apenas perigoso, é extremamente errado. E ela não vai aguentar essa vida por muito tempo.

Na Passarela foi incrível, como os outros dois livros. Eu só achei o final meio irreal. Tipo, tirando o óbvio, afinal, não existem transplantes de cérebros espero, mas o final ficou muito certinho. Mas eu gostei sim, apesar de ter sido irreal, foi lindo. Claro que eu aceitaria mais continuações, ia ser ótimo continuar acompanhando a história, mas acho que a Meg conseguiu fechar bem a trilogia, não deixou pontas soltas nem nada. É uma série digna da Meg: divertida, bem escrita, fofa, apaixonante, viciante, e todos os adjetivos bons que você imaginar. Recomendo sim.

Série:
1. Cabeça de Vento (resenha)
2. Sendo Nikki (resenha)
3. Na Passarela.


Tecnologia do Blogger.