Cidade do Fogo Celestial – Cassandra Clare:
Série: Os Instrumentos Mortais #6
Editora: Galera
Número de páginas: 532
Classificação: 5/5

Resenha:
Cidade do Fogo Celestial é o sexto e último livro da série Os Instrumentos Mortais. Então, se você ainda não leu os outros, eu aconselho que você leia a resenha deles antes, pois esta resenha contém spoilers dos livros anteriores.

Cassandra Clare começa o livro nos apresentando os protagonistas de sua próxima série, The Dark Artifices: Emma Castairs e Julian Blackthorn. Em Cidade do Fogo Celestial eles são apenas crianças, mas já dá para conhecermos os dois e nos apaixonarmos por eles. Eles aparecem bastante, e nos vemos cada vez mais nos apegando a eles, e querendo saber mais, não apenas sobre eles, mas sobre suas famílias também. Foi uma ideia genial da autora introduzi-los nesse livro, e já estou contando os dias para que o primeiro livro seja lançado (infelizmente ainda falta muito).

Em Cidade do Fogo Celestial temos os Institutos de todos os lugares sendo evacuados e os Caçadores buscando refúgio em Idris, pois Sebastian e seu exército de Crepusculares (nome dado àqueles que beberam do Cálice Infernal e se transformaram) estão atacando e transformando todos os Caçadores de Sombras que conseguem, com o objetivo de aumentar seu exército. Mas eles vão acabar descobrindo que nem em Idris estão seguros, que Sebastian consegue fazer o que quiser, e que ele não vai desistir enquanto não conseguir o que quer. E ele quer Clary.

Ele quer Clary, e terá Clary. Nem que para isso ele tenha que sequestrar a própria mãe, juntamente com os membros do submundo que fazem parte do conselho, e oferece-los como troca. Magnus, Luke, Raphael, Meliorn e Jocelyn por Jace e Clary. E, com isso, ele põe à prova a lealdade da Clave para com os membros do Submundo. Afinal, se eles se recusarem eles estarão abertamente mostrando aos seus aliados que dão mais valor a vida de dois Caçadores de Sombras do que a vida dos quatro líderes do Submundo.

Mas Clary e Jace não vão esperar a decisão do Conselho. Não agora que sabem onde Sebastian está se escondendo. Eles vão até o fim do mundo para conseguir os cinco de volta. Mas eles não vão sozinhos. Alec, Isabelle e Simon estão junto com eles, e não vão aceitar serem deixados para trás. E então eles irão para um lugar desconhecido e perigoso, contando apenas com o fogo celestial que Jace ainda não sabe controlar e com as habilidades de cada um, na esperança de conseguir derrotar de vez Sebastian e seu exército e salvar o mundo.

Cidade do Fogo Celestial foi um ótimo fechamento para essa série. A autora soube explorar os personagens, não somente os principais, como também os secundários. Foram muitos os personagens explorados, mas não ficou nada confuso, a autora sabe escrever de um jeito que você entenda tudo. O livro inteiro foi incrível, passou longe da enrolação que senti em Cidade das Almas Perdidas, nesse tudo tinha um sentido. A autora conseguiu introduzir perfeitamente os personagens de sua próxima série, nos fazendo querer lê-la também, e além disso nos trouxe referências e personagens de As Peças Infernais, o que me fez terminar esse e querer ir correndo ler a série.

Falando em As Peças Infernais, tenho que deixar uma sugestão: não façam como eu e ignorem quando te falarem para ler a série antes de ler Cidade do Fogo Celestial, pois esse livro entrega muita coisa do que aconteceu no final da trilogia. Claro, a autora não conta exatamente o que acontece, mas dá para adivinhar. Por isso, acredito que é realmente melhor ler As Peças Infernais antes, pois, além dos spoilers que são dados nesse livro, ainda tem o fato de toda a emoção de ver as referências e entendê-las direitinho, coisa que eu senti falta um pouco. Sim, você não vai ficar perdido ao ler esse livro sem ter lido As Peças Infernais, mas vai perder toda a emoção que a autora quis trazer ao interligar essas séries tão maravilhosas.

Eu tenho que confessar que eu esperava uma coisa totalmente diferente para o final. Não que eu não tenha gostado do jeito que terminou, porque eu gostei sim, mas não imaginava que a Cassandra fosse finalizar desse jeito. Os personagens todos foram muito bem desenvolvidos, desde Clary até Sebastian, e acredito que todos tenham tido um final decente (menos os que participarão de The Dark Artifices, óbvio), e a autora conseguiu fechar tudo de uma maneira excelente.

A edição desse livro está bem melhor que a dos livros anteriores. Primeiramente, nesse livro as letras não são pretas, são cinzas. Não sei se isso é bom ou ruim, para mim não fez muita diferença. Mas as falhas de impressão diminuíram muito. Quase não há falta de pontuação no livro, se comparado aos outros livros. Claro, ainda há falhas, tanto de pontuação, quanto de letras, mas está bem menos. A edição está bem caprichada, só senti falta dos extras que deveriam ter vindo na edição de colecionador. A Galera ficou de disponibilizar esses extras nos eventos do livro, mas como não teve em Brasília, fiquei sem. No mais, a tradução continua ótima, como em todos os outros livros. Os Instrumentos Mortais é uma série incrível, super bem construída e desenvolvida, e recomendo sempre, não somente esse livro, como a série inteira.

Série:
1. Cidade dos Ossos (resenha)
2. Cidade das Cinzas (resenha)
3. Cidade de Vidro (resenha)
4. Cidade dos Anjos Caídos (resenha)
5. Cidade das Almas Perdidas (resenha)
6. Cidade do Fogo Celestial.


Tecnologia do Blogger.