O Verão das Bonecas Mortas – Toni Hill:
Série: Inspetor Héctor Salgado #1
Editora: Tordesilhas
Número de páginas: 372
Classificação: 4/5

Resenha:
Eu sou uma pessoa muito medrosa. Não chego nem perto de livros ou filmes de terror, e morro de medo até de suspense às vezes. Por isso, nunca nem tinha prestado atenção nesse livro, já que pelo nome e pela capa parece ser assustador. Mas acabei descobrindo que não era, que era um livro policial, e então fiquei curiosa. Claro, ainda assim achei que ia me dar um pouco de medo, mas incrivelmente isso não aconteceu. Mesmo lendo à noite, não tive nem um pouco de medo.

Em O Verão das Bonecas Mortas, temos como protagonista o Inspetor Héctor Salgado, que está de volta ao trabalho depois de longas férias. Férias que foram forçadas a ele, depois que o mesmo se descontrolou em um caso de tráfico de mulheres e espancou um dos culpados até quase a morte. Ninguém entende o que aconteceu para que o Inspetor, sempre tão tranquilo e correto, estourasse daquele jeito. E o pior é que agora o Doutor Omar está querendo processá-lo por conta da agressão. E ele nem tem como provar que Omar é culpado, já que a única testemunha está morta.

Tentando fazer com que Héctor esqueça o caso e deixe os outros resolverem a situação, o delegado chefe Lluís Savall encarrega Héctor de investigar, extraoficialmente, o aparente suicídio de Marc Castells, um garoto de uma família importante. Para isso ele terá a ajuda de Leire Castro, a nova investigadora. O caso foi dado como suicídio, ou acidente, mas a mãe de Marc não aceita o fato e continua insistindo para que investiguem. Então o inspetor Salgado vai, mesmo contra a vontade, investigar o caso a fundo, e descobrir se foi mesmo um acidente que levou Marc à morte.

Mas isso não vai fazê-lo esquecer do caso de Omar. E é por isso que a subinspetora Martina Abreu decide mantê-lo informado de toda a investigação a respeito de Omar, se ele prometer não interferir. Enquanto isso, ele deve descobrir o que realmente aconteceu naquela noite quando Marc Castells caiu da janela. E o primeiro passo é ouvir o que Gina e Aleix, os amigos de Marc que estavam com ele um pouco antes do acontecido, tem a dizer.

Só que a investigação vai acabar levando o inspetor e a investigadora a um acontecimento de muitos anos antes, quando Marc era apenas um garoto, e sua amiguinha Iris se afogou na piscina. Aparentemente, Marc não se esqueceu disso, e estava determinado a provar que a garota não tinha simplesmente se afogado, que algo a mais tinha acontecido. E ele queria encontrar o culpado, e não iria medir esforços para conseguir.

A primeira coisa que me fez pegar esse livro logo para ler foi que ele é o primeiro livro da série. É muito difícil eu conseguir ler os livros policiais em ordem, já que as editoras não costumam lançar em sequência, mas essa série está sendo lançada certinha. E isso é essencial, pois aparentemente os livros são sequenciais na história principal também, não somente na história secundária, como é o comum em livros policiais. Em O Verão das Bonecas Mortas, além de focar nos casos, o autor também nos mostra bastante da vida pessoal dos protagonistas. Isso é uma coisa que eu adoro, pois acaba nos aproximando dos personagens, nos fazendo compreendê-los melhor.

O que mais me impressionou foi a rapidez que eu li o livro. Mesmo que a história no começo não tenha me prendido tanto, quando vi já estava na metade, e nem tinha visto o tempo passar. Até porque não passou tanto tempo assim. A leitura foi extremamente rápida, a narrativa do autor é muito boa de se ler, e não fica nada cansativo. A única coisa que não gostei foi que achei que o autor iria conectar mais uma coisa na história, e ele não fez essa conexão. Para mim isso teria deixado a história perfeita, mas mesmo sem isso tudo fez bastante sentido, ficou bem direitinho. E o melhor foi a surpresa que o autor deixou para o final, mal posso esperar para ler o próximo livro, que acredito que seja ainda melhor.

Eu nunca tinha lido um livro publicado pela Tordesilhas, e tive uma ótima experiência com O Verão das Bonecas Mortas. A capa, apesar de ser meio assustadora, é bem bonita, e combina com a história. O livro é bem grandinho mas, além de a narrativa do autor ser bem rápida de ler, a edição do livro tem letras maiores, o que facilita bastante a leitura. A diagramação é bem simples, não apresenta detalhes, mas combina com o livro. Não notei erros de digitação nem de revisão, e adorei. Recomendo demais a história para quem gosta de livros policiais.

Série:
1. O Verão das Bonecas Mortas
2. Os Bons Suicidas (resenha)
3. Os Amantes de Hiroshima (resenha).


Tecnologia do Blogger.