Austenlândia – Shannon Hale:
Editora: Galera
Número de páginas: 240
Classificação: 5/5

Resenha:
Assisti ao filme a um tempinho atrás, e me apaixonei completamente (aquele filme é perfeito!), então não podia deixar de ler o livro. Assim que soube que ia ser lançado no Brasil saí correndo comprar. Vi tantos comentários negativos em relação ao filme quando comparado ao livro que achei que tivessem modificado completamente a história, mas acabei achando uma adaptação boa, sim. Como assisti primeiro ao filme, acabei gostando mais dele, como quase sempre acontece, mas o livro ainda assim é muito bom.

Jane Hayes é uma mulher de 33 anos que sofre uma decepção amorosa atrás da outra, desde que conheceu a história de Orgulho e Preconceito, e busca em todos os homens o Sr. Darcy. Apesar de morrer de vergonha e de não admitir para ninguém além da melhor amiga (e Carolyn, sua tia-avó, mas ela descobriu por acaso), ela é completamente obcecada pelo Sr. Darcy. Ela passa suas noites assistindo a minissérie lançada pela BBC em 1995 (eu era a única que nunca tinha assistido? Só tinha visto o filme. Mas fui atrás da minissérie agora, e adorei), e acredita que um dia irá encontrar um Sr. Darcy para ela.

A surpresa vem no dia que ela descobre que Carolyn deixou algo para ela em seu testamento. Sim, surpresa, porque elas não eram nem um pouco próximas. Curiosa para saber o que era, Jane vai atrás, e descobre que sua parte na herança era uma viagem não reembolsável para Austenlândia, um local onde as pessoas abrem mão de todas as coisas modernas, se vestem com roupas antigas e fingem estar no século XIX. É ridículo, Jane não tem a menor intenção de ir. Mas ela sabe por que Carolyn deixou aquela viagem para ela: para ver se ela finalmente desistia dessa obsessão. E é por isso que, mesmo contra a vontade, ela vai acabar indo. Ela vai passar essas três semanas lá, e depois dirá adeus ao Sr. Darcy. Vai parar com aquela obsessão sem sentido.

Em Pembrook Park, na Inglaterra, Jane não é mais Jane, ela é a Srta. Jane Earstwhile. Lá ela é uma dama do século XIX, e terá que se comportar de acordo. Qualquer deslize pode se transformar em sua imediata expulsão. Foi isso que a dona deixou bem claro para Jane quando ela chegou. Na Austenlândia, Jane viverá uma experiência completa de 1816, se vestirá de acordo, terá criados, conhecerá cavalheiros, e participará de bailes. É um sonho para qualquer fã. E é uma ótima despedida para o Sr. Darcy. Ela poderá viver um último romance, mesmo que seja falso, e depois disso se libertará dessa loucura.

Mas Jane não vai se sentir à vontade em Pembrook Park. Jane vai se sentir ridícula, usando aquelas roupas, fingindo ser outra pessoa e, principalmente, fingindo acreditar que aqueles atores se interessam por ela. Como eles devem rir das mulheres que vão àquele lugar. Ela sabe que aquele lugar é para mulheres ricas virem durante as férias. Ela não é uma daquelas mulheres, mas todos presumem que ela seja. Ou pelo menos ela acha que sim, a não ser que a “amável” dona da propriedade tenha compartilhado suas informações com os outros. Mas mesmo assim, ela continua se sentindo ridícula naquele lugar, agindo daquela maneira. Jane está desesperada por realidade.

E é em Martin, o jardineiro, que ela vai encontrar essa realidade. No meio de todo aquele fingimento, é com ele que ela vai, pela primeira vez na vida, viver o momento. Sem planos para o futuro, sem se imaginar de vestido de noiva, ou tendo filhos. Somente o momento. Jane vai começar a perceber que ela deve deixar o futuro para o futuro, que ela não deve planejar tudo, se ela quiser ser feliz. Mas ela não pode desperdiçar a experiência, ela foi até lá para dar adeus ao Sr. Darcy, e é isso que ela fará. Ela deve mergulhar de cabeça naquela história.

Então Jane irá interagir com a Srta. Charming, uma mulher divertida, a Srta. Heartwright, uma mulher amável, o Coronel Andrews, um homem que se dá bem com todo mundo, o Capitão East, que parece ter uma antiga história com a Srta. Heartwright, e o Sr. Nobley, um homem carrancudo que parece não gostar de ninguém. Ela dará o seu melhor para fazer daquela viagem inesquecível. Ela vai bordar, vai ler, vai caminhar, vai ficar sem fazer nada, ou seja, vai fazer tudo o que as mulheres daquela época faziam. E, principalmente, vai viver um romance com o Sr. Nobley. Ela vai desempenhar seu papel perfeitamente.

Mas será que é isso que ela realmente quer? Quanto mais tempo ela passa lá, mais Jane vai percebendo coisas sobre si mesma, mais ela vai ficando em dúvida sobre o que realmente quer. Será que ela deve continuar nessa atuação, ou ela deve ir atrás de algo real, algo verdadeiro? Jane deve fazer escolhas que podem mudar toda a sua vida, porque, mesmo depois de sair de Austenlândia, ela não voltará a ser quem era antes. Ela deve tomar uma decisão, e sair em busca do seu felizes para sempre.

Eu acho que se eu tivesse lido o livro antes de ver o filme teria gostado mais, até porque ficaria mais em dúvida em algumas coisas, assim como fiquei quando assisti ao filme, e no livro já sabia. Mas mesmo assim é uma história linda. O final é perfeito. Terminei esse livro completamente apaixonada pela história, além de que fui correndo assistir à minissérie de Orgulho e Preconceito, aquela a qual Jane fala tanto (ótima, por sinal). A edição da Galera ficou impecável, além da capa ser maravilhosa, a diagramação ficou incrível, com detalhes nos inícios de capítulos, além de pequenas histórias sobre os ex-namorados de Jane. Recomendo demais essa história, tanto o livro quanto o filme.


Deixe um comentário

Tecnologia do Blogger.