A Luz Através da Janela – Lucinda Riley:
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 544
Classificação: 5/5

Resenha:
Depois de ter me surpreendido tanto com A Casa das Orquídeas (que é um favorito), as minhas expectativas por A Luz Através da Janela eram altíssimas. E, como eu já falei muitas vezes, não gosto de ler livros desse jeito, porque é muito fácil de eu me decepcionar. Por isso eu enrolo bastante até criar coragem e ler. Mas, felizmente, eu não me decepcionei com A Luz Através da Janela. Não ultrapassou A Casa das Orquídeas, mas é muito bom também.

A Luz Através da Janela traz a mesma estrutura de A Casa das Orquídeas: são duas histórias de uma mesma família, uma no presente, e outra na época da Segunda Guerra Mundial.

Emilie é a última descendente dos De La Martinière, agora que a mãe morreu. Completamente perdida e sem saber o que fazer, ela acredita que vender as propriedades da família é a única solução para pagar todas as dívidas que a mãe deixou. Com isso, ela pode voltar à sua vida normal. Mas, ao mesmo tempo, ela não quer vender o château, aquele que foi de sua família por tantos anos. E é nesse momento de angústia e de desespero que aparece Sebastian Carruthers, um homem que diz que sua avó, Constance, conhecera a família dela na época da Segunda Guerra Mundial. Ele se oferece para ajudá-la a organizar seus problemas e resolvê-los da melhor maneira possível, e eles acabam se apaixonando.

Já casados, Emilie e Sebastian vão viver na propriedade da família dele em Londres, enquanto o château está sendo reformado. E é lá que Emilie conhece o irmão de Sebastian, alguém que ela nem sabia existir. Alex é apresentado pelo irmão como alguém em que não se deve confiar, e por isso ela deve se manter longe ele. Mas é difícil se manter longe de alguém que mora na mesma casa, principalmente quando o marido vive viajando e a deixando sozinha. E, quanto mais ela conhece Alex, mais ela começa a perceber que ela sabe muito pouco da vida do marido.

Curiosa para saber mais sobre sua família e a relação entre ela e a família de Sebastian, Emilie vai atrás de Jacques, um antigo funcionário e amigo de seu pai, alguém que viveu naquele tempo. E é ele que nos apresenta Constance bem mais nova, como uma mulher corajosa que foi para a França com a missão de obter informações sobre a guerra e mandar para a Inglaterra, mas que acabou chegando à casa dos De La Martinière e tendo que ficar por lá. Lá, ela conhece Edouard, o pai de Emilie, que a abriga e a ajuda, e Sophia, a irmã cega de Edouard, com quem ela acaba criando uma grande amizade. E essa história traz muitas surpresas para Emilie, pois Jacques conta coisas que ela nunca imaginaria, coisas que podem mudar sua vida para sempre.

Eu acho incrível a capacidade da Lucinda de interligar duas histórias tão diferentes e tão parecidas ao mesmo tempo, sério, ela faz isso tão bem, não dá para escolher qual parte é melhor. Os personagens são todos muito bem construídos, cada detalhe é bem pensado e necessário, e o conhecimento da autora sobre a Segunda Guerra Mundial é imenso, ela faz o leitor sentir como se realmente estivesse lá. Eu só não gostei tanto desse livro quanto de A Casa das Orquídeas por conta do Sebastian, eu peguei antipatia dele desde o início e demorou séculos para a Emilie perceber alguma coisa. O livro não foi óbvio, não dá para descobrir as reais intenções de cada um antes da autora definir, você pode até descobrir a verdade, mas nunca terá certeza antes que ela fale que é isso mesmo.

Então, A Luz Através da Janela é um livro incrível, são mais de 500 páginas que passam voando, pode até ter uma parte ou outra um pouco cansativa, mas logo passa e volta à perfeição. Lucinda Riley se tornou uma das minhas autoras preferidas, qualquer coisa que ela lançar eu leio. Recomendo demais.


Tecnologia do Blogger.