Dearly, Departed – Lia Habel:
Série: Gone With the Respiration #1
Editora: iD
Número de páginas: 480
Classificação: 4/5

Resenha:
Esse foi o último livro que eu li em 2012. Sempre tive vontade de lê-lo pela capa perfeita, mas ele acabava sendo deixado de lado por ser um livro de zumbis. Não sei o que me fez decidir ler ele do nada, mas fiquei feliz por ter lido, eu adorei.

Demorei para me situar, para entender o cenário em que a história se passa, já que não sabia muita coisa sobre o livro além de que era sobre zumbis. Porque bem, ao ler sobre a Nora e a melhor amiga Pâmela deixando a Escola para Moças com seus vestidos longos esperando a carruagem, o que você imagina? Um livro de época, não é? Mas aí quando você ouve sobre os livros totalmente digitais, sobre os hologramas que são criados para disfarçar a realidade, você percebe que não pode ser um livro de época. E é só depois que tudo é explicado.

O mundo como conhecemos hoje ruiu e os sobreviventes se juntaram e formaram uma nova civilização inspirada na era vitoriana. Eles desenvolveram novas tecnologias a partir das energias limpas e agora tentam viver destruindo o mínimo possível do que sobrou do mundo.

Mas o mundo não é tão perfeito quanto parece. Existem os punks, um grupo de pessoas que não aceitaram esse novo estilo de vida, e que vivem fora dos limites da cidade. Não se sabe muito como eles vivem, mas não é da forma confortável e bonita que os moradores da cidade. Eles organizam revoltas, lutam contra os soldados, tentando conquistar um espaço para eles. Mas isso nunca foi um problema, já que o Exército sempre deu conta deles e nunca os deixou entrar nos limites da cidade.

A história começa quando Nora é atacada em casa por um grupo que, a princípio, parecia ser de punks. Ela luta bastante, mas eles estão em maioria, e ela acaba sendo levada com eles. Não vamos esquecer que Nora definitivamente não morava nos limites da cidade.

E é aí que vem a grande surpresa. Ela conhece seu sequestrador, e ele está morto. Mas ao mesmo tempo ele parece um adolescente comum, como isso é possível? Nora não quer acreditar de jeito nenhum na ideia de zumbis existirem. Mas Bram é a prova concreta disso. Não só Bram, como grande parte das outras pessoas que estão junto com ela naquele lugar.

Trancada dentro de um quarto em um lugar cheio de zumbis, Nora não está nem um pouco tranquila. E não importa quantas vezes Bram diga a ela que lá ela está segura, que ela pode sair do quarto que eles não vão fazer nada com ela, ela não acredita. E muito menos acredita na ideia de que o governo tenha escondido isso de todos por tanto tempo.

Bom, não dá para falar muito, mas o livro trata de muita coisa. A guerra que existe entre os punks e os habitantes das cidades, o vírus que afetou tantas pessoas que agora se tornaram zumbis, a diferença entre os zumbis bons e os maus, a busca pela vacina, a diferença entre o nosso mundo e o mundo deles, a amizade, a confiança, o amor...

Enfim, o livro é bem intenso, e você precisa prestar muita atenção senão você se perde. A única coisa que eu não gostei muito foi a troca de narradores em cada capítulo. Por um lado é bom, porque conhecemos melhor os personagens e a história em si. Mas, por outro lado, fica super confuso (pelo menos eu achei), você está lendo uma coisa e, de repente, aparece uma coisa completamente diferente. Mas, tirando isso, eu gostei bastante da história, e olha que eu não costumo gostar de livros de zumbis.

Série:
1. Dearly, Departed
2. Dearly, Beloved


Tecnologia do Blogger.