Oi! Eu tenho que admitir que não sou uma pessoa que lê muitos clássicos, pra falar a verdade, na maioria das vezes, eu li porque fui obrigada pela escola, e o caso dessa vez não foi nada diferente. Com o trabalho de inglês pra faculdade tive que ler A Christmas Carol, do autor Charles Dickens e para minha surpresa (sim, eu fiquei surpresa, não por achar o autor ruim, longe disso, mas porque eu odeio ser obrigada a ler alguma coisa e isso, infelizmente, influencia um pouco na minha visão sobre o livro) acabei gostando da história e me envolvendo com seus personagens e por isso resolvi fazer o post de hoje. Eu vou falar sobre alguns autores e livros clássicos mais famosos. Espero que vocês gostem.


Orgulho e Preconceito (Pride and Prejudice) - Jane Austen
Sinopse: Na Inglaterra do final do século XVIII, as possibilidades de ascensão social eram limitadas para uma mulher sem dote. Elizabeth Bennet, de vinte anos, uma das cinco filhas de um espirituoso, mas imprudente senhor, no entanto, é um novo tipo de heroína, que não precisará de estereótipos femininos para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy e defender suas posições com perfeita lucidez de uma filósofa liberal da província. Lizzy é uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista, protofeminista. Neste livro, Jane Austen faz também uma crítica à futilidade das mulheres na voz dessa admirável heroína - recompensada, ao final, com uma felicidade que não lhe parecia possível na classe em que nasceu.
Jane Austen
Romancista britânica nascida em Steventon, Hampshire, Inglaterra, cuja obra literária deu ao romance inglês o primeiro impulso para a modernidade, ao tratar do cotidiano de pessoas comuns com aguda percepção psicológica e um estilo de uma ironia sutil, dissimulada pela leveza da narrativa. Filha de um pastor anglicano, toda a sua vida transcorreu no seio de um pequeno grupo social, formado pela aristocracia rural inglesa. Aos 17 anos, escreveu seu primeiro romance, Lady Susan, uma paródia do estilo sentimental de Samuel Richardson. Seu segundo livro, Orgulho e Preconceito, tornou-se sua obra mais conhecida, embora, inicialmente, tenha sido malvisto pelos editores. Vieram ainda outros grandes sucessos como Mansfield Park e Emma. Morreu em Winchester, um ano antes de serem publicadas as obras Persuasion e Northanger Abbey, uma deliciosa sátira, escrita na juventude, ao gênero truculento da novela gótica. Seu poder de observação do cotidiano forneceu-lhe material suficiente para dar vida aos personagens de suas obras, e a crítica considerou-a a primeira romancista moderna da literatura inglesa.
Créditos: Skoob 

Um Conto de Duas Cidades (A Tale Of Two Cities) - Charles Dickens
Sinopse: A narrativa de Um Conto de Duas Cidades - que se refere a Londres e Paris - tem início em 1775, quando começam a germinar os movimentos que culminariam na Revolução Francesa. Em meio a grandes injustiças e abusos por parte da nobreza, os camponeses e artesãos conformam-se com as injúrias, sabedores de que o tempo da vingança está próximo. Considerado um clássico da literatura inglesa do século XIX, Um Conto de Duas Cidades trata ao mesmo tempo da realidade da Inglaterra e da França revolucionária. Dickens toma como ponto de referência a Revolução Francesa para apontar os problemas sociais e políticos da Inglaterra, pois temia que a história se repetisse em seu país quando escrevia o romance.

Charles Dickens
Charles John Huffam Dickens foi o mais popular dos romancistas da era vitoriana e contribuiu para a introdução da crítica social na literatura de ficção inglesa. Entre os seus maiores clássicos destacam-se Oliver Twist, A Christmas Carol e David Copperfield. Dickens era filho de John Dickens e de Elizabeth Barrow. Educado por sua mãe, tomou gosto pelos livros. Contudo o seu pai foi preso por dívidas e, ainda adolescente, Dickens teve que trabalhar em uma fábrica que produzia graxa para sapatos. Alguns anos depois, a situação financeira da família melhorou, graças a uma herança recebida pelo pai. Mas sua mãe não permitiu que ele saísse logo da fábrica. As más condições de trabalho da classe operária tornar-se-iam um dos temas recorrentes da sua obra. Em 1843, publicou o seu mais famoso livro de Natal, A Christmas Carol, ao qual se seguiriam outros, como The Chimes, que escreveu durante uma viagem a Gênova e O Grilo da Lareira. Em 1849 publicou um de seus mais conhecidos romances, David Copperfield, inspirado em grande parte, na sua própria vida. Aos poucos sua obra se tornou mais crítica em relação às instituições inglesas. Dickens escreveu ainda Um Conto de Duas Cidades e Grandes Esperanças. Nos últimos anos de sua vida iniciou o livro O Mistério de Erwin Drood, mas morreu antes de concluí-lo.
Créditos: UOL Educação 

O Morro dos Ventos Uivantes (Wuthering Heights) - Emily Brontë
Sinopse: Na fazenda chamada Morro dos Ventos Uivantes nasce uma paixão devastadora entre Heathcliff e Catherine, amigos de infância e cruelmente separados pelo destino. Mas a união do casal é mais forte do que qualquer tormenta: um amor proibido que deixará rastros de ira e vingança. "Meu amor por Heathcliff é como uma rocha eterna. Eu sou Heathcliff", diz a apaixonada Cathy. O único romance escrito por Emily Brontë e uma das histórias de amor mais belas de todos os tempos, O morro dos ventos uivantes é um clássico da literatura inglesa e tornou-se o livro favorito de milhares de pessoas.
Emily Brontë
Emily nasceu em Thornton, Yorkshire, a quinta dos seis filhos de Patrick Brontë e Maria Branwell, e irmã de Charlotte Brontë e Anne Brontë, também escritoras. Em 1820, sua família mudou-se para Haworth, onde o pai de Emily foi um curador, e nestes arredores o seu talento literário floreceu. Depois da morte de sua mãe, a austera tia Branwell foi morar com eles, e as crianças foram mandadas para um colégio interno em Cowan Bridge, onde sofriam castigos, alimentavam-se mal e não dormiam, devido ao frio. Duas das irmãs de Emily, Maria e Elizabeth, faleceram devido às condições do internato, e o pai resolveu levar as crianças, definitivamente, de volta para casa. Em casa, a nova empregada Thabitha (Taby) costumava contar-lhes histórias, e anos mais tarde Emily a homenageou como a fiel persona. 
Créditos: Skoob 

Drácula - Bram Stoker
Sinopse: Publicado em 1897, inspirado em relatos do folclore romeno sobre o nosferatu, ou morto-vivo, e na saga do príncipe Vlad Dracul, que lutou contra os turcos nas Cruzadas. Drácula definiu o arquétipo do vampiro como o ser diabólico que se alimenta do sangue de suas vítimas e tem poderes extraordinários.
Bram Stoker
Picture of Bram Stoker, author of Dracula; nineteenth century Irish LiteratureAbraham "Bram" Stoker nasceu em 1847, em Dublin, na Irlanda. Sua paixão pela literatura surgiu logo na adolescência. Formou-se na faculdade de Matemática, trabalhou como jornalista, funcionário público e diretor de teatro. Mas, ao longo desses anos, sempre escreveu histórias. Seu livro mais conhecido, Drácula, foi publicado em 1897. É uma das mais famosas e horripilantes histórias de terror de todos os tempos. Baseado no folclore da Transilvânia e num personagem real (o rei Vlad, o Empalador), Stoker redigiu um relato que tem assombrado gerações consecutivas de leitores, transformando-se num mito adaptado para o cinema, quadrinhos e TV, talvez o mais significativo destes últimos dois séculos. Bram Stoker faleceu em Londres a 20 de abril de 1912.
Créditos: L&PM Editores 

Outros Livros Clássicos:


Tecnologia do Blogger.